Perguntas e Respostas sobre Esgoto

Hoje nós da Desentupidora Eco iremos  abordar um tema que envolve o dia a dia do nosso trabalho e que também é de grande curiosidade por parte de nossos clientes.

Muitos clientes nos perguntam a respeito dos resíduos que coletamos e para onde ele vai. O que  é feito com ele, e o que acontece com o esgoto de nossas casa, a água da chuva etc… Por isso fizemos um apanhado de informações com o intuito de esclarecer tais duvidas.

Primeiramente vamos esclarecer o que é o considerado esgoto.

O esgoto é todo e qualquer liquido proveniente de águas domesticas, das vias publicas, do comercio e da indústria.  É um liquido desagradável que implica em uma serie problemas para a população caso ela seja exposta a ele, por isso é muito importante que seu escoamento nunca seja a céu aberto.

E é por este motivo que as empresa responsáveis pela engenharia sanitária restringem o escoamento do esgoto por canalizações fechadas e subterrânea desde o ponto onde são coletados ate à chegada a estação de tratamento de esgoto.

Você já parou  para pensar se não existisse as estações de tratamento para onde iriam todos os resíduos que produzimos em nosso dia a dia? Certamente teríamos sérios problemas!

Todo o sistema hidráulico de coleta e de tratamento possui uma grande importância tanto do ponto de vista de saúde publica quanto do ponto de vista da economia.

Em termos de saúde, o sistema evita a contaminação do solo, das águas, e poços que podem ocorrer devido à infiltração.

 Evita que a população e animais tenham  contato com o escoamento  esgoto nas ruas, o que poderia causar inúmeras doença por contaminação.

 Evita também o contato com vetores transmissores de doenças, e também aumenta a qualidade de vida e expectativa media devido a redução de doenças.

Em termos de economia o sistema hidráulico de coleta e de tratamento reduz os gastos com tratamento de doenças decorrentes da contaminação hídrica.

Viabiliza a utilização da água com segurança e mais economia para a população

Estimula a valoração da região e imóveis das áreas urbanas.

Agora explicaremos as Diferenças entre esgotos domésticos e/ou comerciais, dos industriais e suas peculiaridades na hora de realizar o tratamento.

Bom, o esgoto considerado domestico/comercial são originados das instalações de banheiros, cozinhas e lavanderias, ele é constituído em sua maioria por água provenientes do banho,   da pia e das descargas dos vasos sanitários, e das lavagens de roupas.

Já o esgoto industrial é resultante de processos industriais no qual sua composição diferentemente do esgoto domestico é muito variada e depende do produto que é produzido por cada industria. E devido as suas características específicas o seu descarte e tratamento devem ser dentro da área industrial  e regido por uma legislação e fiscalização própria dos órgão competentes.

Mas e a água da chuva? É considerada esgoto?

Na realidade não, as águas de chuvas ou água pluviais e não devem ser lançadas nas instalações de esgoto. Elas devem ser coletadas pelas calhas dos telhados e ralos dos quintais e conduzidas por tubulações independentes ate a rua, onde será escoada pelas sarjetas que irão entrar nas bocas de lobo e galerias pluviais e desembocar no Sistema de Drenagem Urbano.

Por que não posso jogar a água da chuva nas redes de esgoto?

Essa é uma pergunta muito comum , e a resposta é que os sistemas de coleta  são projetados apenas para receber esgoto e o lançamento de água da chuva  nas instalações podem sobrecarregar o sistema  e gerar entupimentos e retorno de esgoto aos imóveis , pois normalmente juntamente com o grande volume de água também serão levados junto materiais sólidos, como areia, folhas, terras, plásticos e outros materiais.

Então esclarecendo, é proibido o lançamento de água da chuva nas redes coletoras de esgoto, caso haja em seu imóvel, é necessário a sua retirada imediatamente.

Outra duvida comum das pessoas é porque as redes de esgoto entopem e o que deve-se  fazer quando isso acontece. Como explicados anteriormente a composição do esgoto é basicamente de água, e é essa água  que ajuda a levar partículas solidas presentes no esgoto pelas tubulaçoes. Porem na maioria das vezes quando os entupimentos ocorrem, é porque jogamos coisas tanto no vaso sanitário, nas pias e ralos, que deveriam ir para os cestos de lixo, tais como papel higiênico, absorventes, cotonetes, preservativos, cabelo, embalagem de sabonetes, creme dental, fraldas descartáveis, frascos de desodorantes entre outros.

Enfim são  inúmeros os objetos e resíduos que aparecem indevidamente nas redes coletoras e está concentração de lixo pode comprimir  a seção da tubulação dificultando a passagem do esgoto, resultando no entupimento e vazamento de esgoto nas ruas e calçadas e em muitos casos o retorno do esgoto para dentro das residenciais.

A Desentupidora Eco sugere algumas dicas para evitar entupimentos na rede de esgoto:

  • Nunca jogue lixo no vaso sanitário, afinal ele não é lixeira.
  • Mantenha sempre com peneirinha nos ralos de saída, nas pias do banheiro e da cozinha
  • Nunca faça ligação de água da chuva diretamente na rede de esgoto
  • E sempre mantenha em boas condições de uso a caixa de gordura de sua residência

A rede de esgoto entupiu o devo fazer?

Em casos de entupimentos da rede coletora de esgoto deve se ligar imediatamente para a Companhia de Saneamento e registrar uma reclamação para que a mesma vá ate o local e realize a manutenção, no estado do Paraná é de responsabilidade da Sanepar e pode ser contatada pelo numero 115 ou pelo 0800 200 0115.

Agora explicaremos o que é feito com o esgoto na estação de tratamento da Sanepar.

No processo de tratamento de esgoto da Sanepar são utilizados dois sistemas: o aeróbio e o anaeróbio. No aeróbio é usado uma aeração prolongada em fluxo orbital e o sistema “Carroussel”, de tecnologia holandesa proporciona resultados de alta qualidade, o que garante uma eficácia de mais de 95% ao final do tratamento. Já no processo anaeróbio a estabilização dos resíduos é feita pela atuação de microorganismos e pela inexistência de ar ou de oxigênio.

 Entendendo o processo Aeróbio de tratamento:

processo Aeróbio

Processo Aeróbio

Neste tipo de processo são necessários grandes espaços físicos para a sua instalação, e neste modelo de estação de tratamento não é possível fazer o reaproveitamento dos gases gerados e também possuem um consumo maior de energia elétrica.

 

  1. A) Rede coletora – Nesta etapa o esgoto  é  coletado nas casas, prédios, escolas, indústrias e outros imóveis, através de redes coletoras que o encaminha, através de interceptores, até a estação de tratamento.
  1. B) Estação elevatória – O esgoto ao chegar a estação de tratamento, é elevado por bombas tipo parafuso ou similar.
  1. C) Gradeamento mecânico/desarenador – Nesta etapa os materiais sólidos e areia que chegam  com  os  esgotos  são  descartados possibilitando,  que  o  processo de tratamento tenha a continuidade apropriada. Aqui o material é retirado e lavado para evitar problemas sanitários.
  1. D) Tanques de aeração – Nestes tanques, há o processo de introdução de oxigênio na massa  líquida.  Esse procedimento é feito para dar condições para o desenvolvimento dos microorganismos aeróbios, que só vivem em presença de ar e assimilam matéria em grande quantidade no esgoto.
  1. E)  Decantadores – É aqui nos decantadores, que o  lodo é sedimentado por gravidade e o líquido, já tratado,  é coletado na parte superficial através de uma calha, conduzido por um canal, e lançado no rio.

 Depois desta etapa o  líquido  está  livre  de  qualquer tipo  de  substância nociva à flora ou fauna, atendendo ao disposto na Resolução n.° 357/2005 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama ). Vale lembra a qualidade desta água apresenta características superiores  a do próprio rio. Parte do lodo depositado retorna aos tanques de aeração para assegurar o equilíbrio do processo. A parte excedente é bombeada ao adensador.

  1. F)  Adensador de lodo – O adensador, é utilizado para concentrar o lodo facilitando assim a disposição final do mesmo e depois realocado  para as lagoas ou leitos de secagem.
estação de tratamento aeróbio ETE Belém

Estação de tratamento aeróbio ETE Belém

A estação de tratamento aeróbio ETE Belém  é consideradas uma das maiores estações de tratamentos e esta localizada  em Curitiba e esta atuando a mais de 20 anos,  possuindo  capacidade para tratar esgoto de ate 500 mil habitantes.

Entendendo o processo anaeróbio de tratamento:

processo anaeróbio de tratamento

Processo anaeróbio de tratamento

No processo de tratamento com sistema anaeróbio, é utilizado um Reator Anaeróbio de Manto de Lodo e Fluxo Ascendente (Ralf), está tecnologia foi desenvolvida pela própria Sanepar, e possui uma serie de benefícios se comparado com o sistema aeróbio. Podemos citar a falta de necessidade de utilização de energia adicional, além de produzir biogás que pode ser utilizado como combustível. E não há a precisão de amplo espaço físico para a sua implantação.

 Sistema Ralf  em Funcionamento:

 

  1. A) Rede coletora– Nesta etapa o esgoto é coletado e encaminhado  até  a  Estação de Tratamento de  Esgoto ( ETE – Ralf ) por rede coletoras e interceptores.
  1. B) Estação elevatória– Aqui o esgoto chega ate a estação e é gradeado para reter sólidos grosseiros. Este  líquido então é  bombeado à  ETE por meio de conjuntos motobombas.
  1. C)  Tratamento preliminar – (Gradeamento,  Desarenador e Medição de Vazão)  – Nesta etapa os materiais sólidos que  chegam com o esgoto são separados para que o processo  de  tratamento tenha  continuidade adequada. Os materiais retirados são encaminhados através de caçambas para o aterro sanitário.
  1. D)  Ralf  (Reator  Anaeróbio de Manto de Lodo e Fluxo Ascendente)–  É aqui que o líquido sofre tratamento  anaeróbio  por  meio  de  um   manto  de  lodo  que  se forma  no   fundo  do  tanque,  rico  em  bactérias.

Após percorrer este manto, o esgoto, retém e decompõe a matéria orgânica. Depois de tratado o esgoto é coletado e enviado à etapa de tratamento final.

  1. E) Pós-tratamento – Nesta etapa  o esgoto tratado pelo Ralf,  é  tratado novamente em filtro biológico ou lagoa de polimento para melhor purificação assim  seu efluente pode ser lançado nos rios sem  causar danos ao meio ambiente.
  1. F) Leito de secagem de lodo– Aqui o lodo digerido do Ralf é recebido  para secagem  natural., onde  o material é depositado no leito de secagem por um período de até 30 dias para sua

MODELO_RALF_2