Descartar o óleo de cozinha de maneira correta evita entupimentos e ajuda o meio ambiente

O óleo de cozinha é indispensável na cozinha, estima-se que uma família gaste 1,5 litros mensalmente. A produção no Brasil passa os 3 bilhões de litros. Processos de extração e purificação dizem se o óleo é virgem, extra virgem ou bruto (girassol, milho e soja). Os virgens e extra virgens são filtrados para remoção de partículas sólida. O óleo bruto é obtido por um solvente e é submetido a várias etapas de filtragem. Em relação à qualidade nutricional, os óleos possuem diferentes características e funções, confira abaixo:

oleo-de-cozinha-girassol

Óleo de girassol

  • Ômega 6 e 9;
  • Vitamina E, antioxidante que fortalece o sistema imunológico;
  • Pode ser aquecido até 200º;
  • Ressalva: diminui o colesterol bom (HDL), o que protege o coração.

Óleo de milho

  • Rico em ômega 6;
  • Fortalece o sistema imunológico;
  • Protege as artérias;
  • Pode ser aquecido até 180º.

Óleo de soja

  • Rico em ômega 3 e 6;
  • Age no processo antiinflamatório;
  • Mantém o coração saudável, aumenta o colesterol bom (HDL) e diminui o colesterol ruim (HDL);
  • Pode ser aquecido até 180º.

Óleo de canola

  • Rico em ômega 3 e 6;
  • Reduz o colesterol ruim (LDL) e mantém estável o colesterol bom (HDL);
  • Ótimo para temperar saladas;
  • Pode ser aquecido até 180º.

Quando descartado errado…

Jogar na pia?Nem pensar, isso causa estragos ao meio ambiente. Bastam 50 mg para poluir 25 mil litros de água. Um litro de óleo pode poluir 1 milhão de litros de água potável, volume consumido por uma pessoa em 14 anos. Estima-se que todos os anos 200 milhões de óleo de cozinha sejam descartados incorretamente. Jogar o óleo em ralos ou pias entope o encanamento e a caixa de gordura, além de atrair ratos e baratas. Com a caixa de gordura entupida, o óleo chega às Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) rios e mares, reduzindo o oxigênio, o que provoca a morte de peixes.

oleo-de-cozinha

A preocupação com o descarte correto chegou ao poder público. O Decreto Municipal 50.284/São Paulo regulamentou a Lei 14.487 que instituiu o Programa de Conscientização sobre a Reciclagem de Óleos e Gorduras de Uso Culinário na cidade de São Paulo. A Lei Estadual 12.047/SP implantou o Programa Estadual de Tratamento e Reciclagem de Óleos e Gorduras de Origem Vegetal ou Animal e Uso Culinário.

O que fazer com ele?

Utilize garrafas PET para armazenar o óleo. Com um funil o óleo entra mais fácil na garrafa. Deixe as embalagens bem fechadas e longe de animais e crianças. Cole etiquetas para identificar o conteúdo. Várias ONGs e até redes de supermercados possuem programas para descarte. O óleo recolhido é transformado em biodiesel e o Brasil é pioneiro na reutilização. A Usina de Biodiesel de Indaiatuba (SP) em conjunto com a Prefeitura de Indaiatuba Serviço Autônomo de Água e Esgotos (SAAE), Universidade de Campinas e Instituto Harpia Harpyia são responsáveis pelo projeto. Donos de bares, restaurantes e a população doam óleo usado para a SAAE.

O óleo usado também pode virar sabão. Você já deve ter visto várias receitas na internet, porém, a maioria tem muita soda cáustica, substância que causa queimaduras e problemas respiratórios. Essa receita possui quantidade adequada de soda. Veja os ingredientes e o passo a passo:

Ingredientes

  • 1 quilo de óleo de cozinha usado;
  • 140 mililitros de água;
  • 135 gramas de soda cáustica em escamas (concentração superior a 95%);
  • 25 mililitros de álcool (opcional).

Ingredientes opcionais

  • 30 gramas de aromatizantes: óleos essenciais sem parabenos e ftalatos na composição;
  • 10 gramas de conservante alecrim em pó.

Materiais

  • 1 par de luvas de silicone;
  • 1 máscara descartável;
  • Óculos de proteção;
  • 1 recipiente pequeno;
  • 1 balde
  • 1 colher de pau;
  • Formas para molde: formas próprias, bandejas de plástico ou embalagem longa vida;

Como fazer?

  1. Esquente a água até ficar morna (40ºC);
  2. Coloque no recipiente pequeno, adicione aos poucos pequenas quantidades de soda, sem parar de mexer;
  3. Mexa até a soda não ter mais escamas;
  4. Remova as impurezas do óleo com uma peneira;
  5. Esquente o óleo até ficar morno. Coloque- o no balde e adicione aos poucos pequenas quantidades de soda, sem parar de mexer;
  6. Misture óleo e soda por 20 minutos. Após esse tempo, a consistência será semelhante ao leite condensado. Se quiser, acrescente os aromatizantes e misture bem;
  7. Caso a consistência estiver líquida, coloque álcool aos poucos e mexa por 10 minutos;
  8. Deseje em uma bandeja de plástica e espere dois dias.
  9. É aconselhável deixar o sabão curar por 15 dias, em recipiente opaco e guardado em ambiente fresco e sem luz solar. Esse processo de cura faz o sabão perder o excesso de umidade. Lugares com clima chuvoso o procedimento leva mais dias.

Você pode medir o pH com papel tornassol.

Atenção: respeite a ordem,  coloque sempre a soda sobre a água, o contrário provoca acidentes.

Não use utensílios de alumínio, isso provoca uma reação muito forte.

Convencido da importância de descartar corretamente o óleo? Aproveite para fazer esse sabão e conte o que achou dele.

A melhor maneira de evitar entupimentos é a prevenção, mas caso aconteça chame a Desentupidora Curitiba ECO!